Planeta América Latina - Eventos, Promoções e Novidades!

Confira os eventos, promoções e novidades em sua cidade. Aqui, no Planeta América Latina!

Como é ser migrante no Brasil?

Como é ser migrante no Brasil?

Evento debate a realidade enfrentada por quem vem viver no País

 

Quais os maiores desafios enfrentados pelas pessoas que vêm viver no Brasil? Há muita diferença na forma como as pessoas são recebidas, dependendo do país de onde vêm? Como os migrantes participam da construção da sociedade brasileira?
 
A chegada de migrantes tem aumentado nos últimos anos e as leis que regem a migração permanecem defasadas. O Estatuto do Estrangeiro, que é resquício da ditadura militar, não reflete valores democráticos e precisa ser modificado. Mas até que ponto as propostas existentes substituiriam a legislação em vigor? Representam um avanço real? Que se espera do Congresso Nacional em 2015?
 
Para discutir sobre essas questões Conectas realiza na próxima segunda-feira (2/2) mais uma edição do Diálogos Conectas Cultura com o tema: Como é ser migrante no Brasil?
 
O debate contará com a presença da professora de Direito Internacional e Livre-Docente de Relações Internacionais da USP Deisy Ventura, especialista em migrações.
 
Estará na mesa também Veronica Yujra, da Associação Si Yo Puedo, que promove orientação para jovens migrantes, em especial bolivianos.
 
Participarão ainda o jornalista e doutor em Ciência Política Leonardo Sakamoto, conselheiro do Fundo da ONU para Formas Contemporâneas de Escravidão e coordenador da ONG Repórter Brasil, especializada no combate ao trabalho escravo e o Representante do ACNUR (Agência da ONU para Refugiados) no Brasil, Andrés Ramírez.


A apresentação será de Cazé Pecini, do programa A Liga, da TV Bandeirantes.


A entrada é grátis, dependendo da disponibilidade de vagas. O debate será transmitido por vídeo streaming pelo Estúdio Fluxo e pelo site da Conectas. Os internautas podem enviar perguntas, relatos e respostas à pergunta “Como é ser migrante no Brasil?” por email, Facebook ou Twitter utilizando as hashtags #EuMigrante e #DiálogosConectas.

 

fonte: conectas.org