A máscara borra a identidade, para nascer uma entidade - Toztli artista mexicana

Toztli Abril de Dios, artista mexicana trouxe para o Brasil seu trabalho performática produzido no México, promovendo as raízes afro-mexicanas pouco divulgadas no pais asteca. "…Nosso trabalho pretende dar visibilidade às comunidades soterradas no México…, sendo só desde 2011 que nasce a denominação que contabiliza as comunidades afro-mexicanas". comentou Toztli

Publicado em

Toztli Abril de Dios, artista mexicana trouxe para o Brasil seu trabalho performática produzido no México, promovendo as raízes afro-mexicanas pouco divulgadas no pais asteca. "…Nosso trabalho pretende dar visibilidade às comunidades soterradas no México…, sendo só desde 2011 que nasce a denominação que contabiliza as comunidades afro-mexicanas". comentou Toztli.

Exposição Gèlède - PanAfroAmerica

A parceria com o artista brasileiro Raul Zito nasceu no México com o registro das manifestações afro-mexicanas com o uso das mascaras… uma interpretação da tradição com a visão artística, não só copiando, e sim aportando na construção cultural nas ruas latino-americanas, brincando com "aparecer e desaparecer" como as comunidades em México que são quase invisíveis… "para mim as mascara ajuda a aceder uma identidade potente… com o fato de borra a identidade para fazer nascer uma entidade…

Toztli acredita que o trabalho que concluiu com a Exposição Gèlède - PanAfroAmerica, ajuda a gerar uma cartografia da PanAfroAmerica.

É interesse dos artistas percorrer pela América Latina e beber das culturas afro-latinas gerando novas interpretações em cada local, criando experiência distinta com base as culturas de cada pais.

Na Lapa, a criatividade gerando encontros espontâneos

Ao buscar compreender o eixo matriz África, o projeto Gèlèdes – PanAfroAmerica propõe a descolonização do corpo. Um corpo afro-latino que não obedece a um estereótipo: nem branco, nem negro, nem indígena - mas todos. Desse interesse surgiu a investigação das manifestações culturais afro-mestiças que envolvem o uso de máscaras, uma vez que elas estão intimamente relacionadas ao movimento, e permitem que aqueles que as usam acessem dinâmicas lúdicas que, sem dúvida, revelam o poder de uma ancestralidade oculta resistente através dos séculos.

De antemão, este projeto pretende dar forma a uma espécie de cartografia do uso de máscaras na América diaspórica. Juntamente com a rítmica e tambores, são as danças que envolvem a máscara um dos elos culturais mais importantes das nações da América Latina, portanto vemos na máscara um símbolo de identidade 'panAFROmericano'.

A apresentação desta série fotográfica segue a linguagem artística do autor Raul Zito, que há 11 anos adota o conceito de "fotografia expandida". Raul busca em suas pesquisas realiza uma ampliação das possibilidades da imagem. Para Gèlèdes – PanAfroAmerica as fotos estarão expostas diretamente nas paredes do Centro Cultural Tendal da Lapa medindo 3x4 metros cada uma, criando diálogo com os transeuntes da Rua Guaicurus - via de grande movimentação. Outras duas imagens estarão na entrada do espaço e medirão 5x5 metros.

SERVIÇO:
Início da exposição-intervenção Gèlèdes – PanAfroAmerica
Por Raul Zito e Toztli Abril de Dios / Produção: Mirrah Iañez
Quando: de 18 de abril à 18 de agosto de 2019
Onde: Centro Cultural Tendal da Lapa
Endereço: Rua Guaicurus, 1100/ Rua Constança, 72 - Lapa CEP 05033-002.
Sem limite de horário

Deixe um comentário