Distúrbios e agressões na Rua Coimbra durante visita do candidato boliviano/coreano Chi Hyun em São Paulo

Os transtornos aconteceram no sábado 29 de fevereiro por volta das 15h. na Rua Coimbra no bairro do Brás em São Paulo.

Publicado em
Distúrbios e agressões na Rua Coimbra durante visita do candidato boliviano/coreano Chi Hyun em São Paulo

A visita do Dr. Chi Hyun (FPV) ao bairro do Brás mais especificamente entre as ruas Costa Valente e Coimbra foi iniciada pela cordialidade dos transeuntes bolivianos e peruanos, a cordialidade teve fim no primeiro quarteirão da Rua Coimbra, momento em que alguns bolivianos transeuntes e comerciantes começaram a agredir verbalmente e fisicamente a comitiva do candidato.
 
Os gritos dos populares acusavam o candidato Chi de ser apoiador das mortes acontecidas após o processo eleitoral anulado em 2019 na Bolívia.

Médicos bolivianos são agredidos junto ao candidato Chi 

Entre a comitiva pudemos resgatar as palavras da boliviana Dra. Sonia Flores Mamani, que evidentemente emocionada contou o acontecido com ela durante os momentos de maior violência contra o grupo de médicos que apoiam o candidato Chi. “...Fui golpeada pelas costas, e derrubaram os folhetos que eu segurava nas mãos, quando girei para ver quem estava me agredindo, reconheci uma Sra. Que foi minha paciente numa cirurgia muito complicada que salvou a vida da paciente... a Sra. ao me reconhecer me abraçou e pediu desculpas ajudando-me a recolher os folhetos jogados no chão... eu a desculpei, porem a agressão já foi feita..., ser golpeada por pessoas que chegam em nossos consultórios em São Paulo chorando com seus filhos em braços... sempre são atendidos com toda dedicação pelos médicos bolivianos que estamos nesta visita na Rua Coimbra...” concluiu a Dra. Sonia.

Imprensa agredida 

Sendo a liberdade de expressão base da democracia, a agressão aos repórteres fotográficos do Bolívia Cultural e Ocasión, foi uma tentativa de calar a LIBERDADE DE EXPRESSÃO, um direito universal protegido pela lei brasileira. A tentativa de destruir os equipamentos (câmeras e filmadoras) das equipes jornalisticas é uma dura infração contra um direito pleno garantido em todos os países democráticos do mundo.

O lamentável transtorno aconteceu no sábado 29 de fevereiro por volta das 15:00h. Na Rua Coimbra no bairro do Brás em São Paulo. 

Deixe um comentário