ën'ëën. Pablo Majluf e a negação do racismo no México

Muitas pessoas acusam, da direita e da esquerda, que falar de racismo tem a ver com políticas identitárias pós-modernas recentes que deixam de lado o que é realmente importante

Publicado em
ën'ëën. Pablo Majluf e a negação do racismo no México

Yásnaya Elena A. Gil
29 may 2022 - 15:36 BRT

Há alguns anos, uma mulher Mixtec que morava na Califórnia entrou em contato comigo para me contar sobre uma situação que a havia perturbado muito. Sua filha, que estudava em uma escola primária nos Estados Unidos, teve que escolher entre as diferentes opções apresentadas a ela sobre afiliação racial. A menina escolheu "nativo americano" e imediatamente sua professora lhe disse que ela estava errada e que, em qualquer caso, ela deveria ser classificada na categoria "hispânica". A menina se recusou a fazê-lo. Sua mãe teve que ir à escola e explicar que, sendo mixteca, poderia facilmente argumentar que sua filha pertencia a um povo originário, um povo nativo desse continente chamado América (pelo menos em certas línguas), ou seja, que sua filha ela era uma nativa americana. Eles não conseguiram, explicaram, repetidamente, que os nativos americanos são aqueles que pertencem aos povos indígenas dos Estados Unidos, então a menina em questão foi classificada sob um rótulo com o qual ela não se identificava: hispânica.

Essa história me levou a tentar entender mais sobre a classificação racial que os Estados Unidos usam abertamente para atribuir pessoas e também tentar entender como o racismo operou no México, embora aqui não tenhamos que riscar uma caixa de “raça” em vários formatos oficiais. Muitas pessoas acusam, da direita e da esquerda, que falar de racismo tem a ver com políticas identitárias pós-modernas recentes que deixam de lado o que é realmente importante (o que é “verdadeiramente importante” muda dependendo se a denúncia vem da direita ou da esquerda). Como podemos ver no caso da menina mixteca, a questão vai além da identidade - política de identidade, eles chamam desdenhosamente aqueles que não veem ou querem negar o problema estrutural por trás do racismo. Eu gostaria que fosse uma questão de identidade, porque bastaria parar de nos identificarmos como indígenas, uma categoria racializada, para parar de sofrer as opressões a que essa população foi submetida. Repito, gostaria que tudo isso fosse apenas uma questão de identidade, mas não, não é.

foto-pb
Em seu discurso, Pablo Majluf argumentou que neste país “nunca fomos contados por raça, não é o princípio norteador de nossa história, nem de nossas leis, nem de nossa política, nem de nossa sociedade”. No segundo debate, entre muitas ideias, também esclareceu que não nega que no México há discriminação com base na cor da pele, que esse não é o seu ponto, que "seria um absurdo" negar a existência de essa discriminação, que ele sustenta, enfatizou, é que “o racismo não é reitor da nossa sociedade. O México não é um país sistemicamente racista.

Antes de prosseguir e abordar alguns dos pontos defendidos por Majluf, gostaria de apresentar algumas ideias das quais estou partindo para esta discussão. A primeira delas é que, em muitas ocasiões, por trás das ideias que afirmam que, enquanto o racismo opera nos Estados Unidos e não no México, há a suposição de que o racismo é um fenômeno que só ocorre em determinados países do mundo. , como se o racismo fosse um fenômeno limitado pelas fronteiras dos estados-nação do mundo, como se depois de cruzar a fronteira entre os Estados Unidos e o México e penetrar cinco milímetros no território mexicano, a violência do racismo se transformasse radicalmente. Não podemos negar que os marcos legais de cada Estado-nação e sua configuração histórica influenciam a forma como o racismo é vivenciado em cada país, mas o racismo vai além das pessoas jurídicas e das leis, o racismo é um fenômeno que tem efeitos em todo o mundo. Não é que existam alguns países racistas e outros não, não é que o racismo seja imediatamente suspenso quando mudamos de localização geográfica.

Continuando com a intenção de propor ideias sobre as quais elaborar a discussão, gostaria de dizer que o racismo, como já foi dito muitas vezes, é um sistema de opressão baseado na sustentação da existência das raças humanas como categorias biológicas e que existem algumas raças melhores que outras. Não só é racista a ideia de que existem raças humanas melhores que outras, mas também sustentar que as raças humanas existem como categorias biológicas. O racismo tem uma base pseudocientífica que, durante o século 19, tentou fornecer evidências mensuráveis ​​tanto da existência de raças biológicas quanto de sua hierarquia. Esse racismo tem, sobretudo, dois grandes afluentes, o sistema colonialista que hierarquizava os corpos das pessoas e o antissemitismo.

O racismo deu uma base "científica" (observe as citações) à classificação dos corpos, principalmente com base na quantidade de melanina na pele, à classificação corporal que o colonialismo havia criado. Como disse a antropóloga Kaqchikel Aura Cumes, o povo europeu colonizador tornou-se, nessa classificação racial, o branco, o povo nativo deste continente, em "índios", o povo sequestrado do continente africano, em "negro", e o povo do Oriente em "chinês", para citar alguns. O racismo deu um suporte "racional" e "natural" a essa classificação, esse processo é chamado de "racialização" e vai além da vontade do povo e seus desejos de atribuição de identidade, como disse um internauta nas discussões do Black Lives Matter movimento, não basta que um afrodescendente grite para a polícia que vão atirar nele mesmo desarmado: “Não atire, eu me identifico como alvo”; enunciando outra identidade não impede que a opressão policial opere em certos corpos. Outro processo de racialização operou na população judaica, certamente não baseado na cor da pele; a existência de uma "raça judaica" foi justificada e classificada como inferior, dando uma base pseudo-científica a um anti-semitismo de longa data, sabemos das infelizes consequências disso.

Ora, a classificação racial e sua hierarquia, a partir de seus afluentes coloniais, está intimamente relacionada ao desenvolvimento do capitalismo. Essa relação, que autores como Eric Williams estudaram, nos mostra a relação entre a escravidão a que foram determinadas categorias, a exploração de certos corpos, de certos territórios e o desenvolvimento do sistema econômico hegemônico hoje. O racismo não diz respeito apenas à identidade, está profundamente entrelaçado com fenômenos mais profundos, com as condições materiais e com a dinâmica do mundo de hoje. Gostaria que houvesse países que o sistema racista deixou intocado, infelizmente é um sistema de opressão que tem efeitos em todo o mundo.

Assine aqui a newsletter do EL PAÍS México e receba todas as principais informações sobre a atualidade deste país.

fonte: elpais.com

VEJA TAMBÉM
Consulado boliviano atende neste sábado 12 de março de 2022
Chefões da feirinha da madrugada são presos
Chefões da feirinha da madrugada são presos

Publicidade

Deixe um comentário

Dúvidas? Pergunte aqui.