Rede Cozinha Cidadã atinge a marca de 2 milhões de marmitas distribuídas à população em situação de rua da cidade

No dia 24 de janeiro, na véspera do aniversário de 467 anos da cidade, a Prefeitura de São Paulo atingiu a marca de 2 milhões de marmitas distribuídas ao longo do período de pandemia da COVID-19, com o Projeto Rede Cozinha Cidadã da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC).

Publicado em
Rede Cozinha Cidadã atinge a marca de 2 milhões de marmitas distribuídas à população em situação de rua da cidade

O programa foi criado em abril de 2020, período crítico da crise humanitária e social instaurada pela circulação do coronavírus, para garantir a segurança alimentar e nutricional da população em situação de rua da cidade. Além de fornecer uma refeição de qualidade e segura às pessoas que compõem o grupo de populações em situação de vulnerabilidade, a iniciativa ainda beneficia os restaurantes que tiveram queda no faturamento devido às restrições impostas pela quarentena, promovendo a manutenção da cadeia produtiva de alimentos.

Dados da Coordenação de Políticas para População em Situação de Rua, corpo técnico da SMDHC que coordena e monitora o programa, indicam que o programa da Prefeitura conta hoje com 88 restaurantes credenciados, mas já chegou a um total de 109 estabelecimentos participantes, que recebem R$10 reais por cada marmita produzida. Estão diretamente envolvidas no processo de produção das refeições 1.500 pessoas, entre proprietários, gerentes, ajudantes de cozinha, cozinheiros e nutricionistas dos estabelecimentos.

Nas ruas, 42 pessoas fazem a entrega diária das marmitas nas mãos das pessoas em situação de rua, sendo 27 motoristas credenciados do transporte escolar municipal, que ficaram sem trabalho devido à interrupção das aulas presenciais no período, e 15 ajudantes contratados.
Na supervisão e acompanhamento diário das ações e dos contratos estabelecidos, está a gama de 60 profissionais empenhados para o sucesso do projeto, entre eles, 18 técnicos da secretaria.

A secretária municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo, Claudia Carletto, reafirma a importância de se fazer política pública sempre com viés humanitário, mas diz que o número não deve ser comemorado. “Para mim, o número de 2 milhões de marmitas distribuídas é honorável, mas não deve ser celebrado, pois o ideal seria que não tivéssemos tantas pessoas nas ruas precisando desse auxílio. A gestão municipal, por meio da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania, desempenhou um trabalho árduo em defesa da garantia do direito de acesso a uma alimentação de qualidade para todos, e, isso sim, merece todo o nosso respeito”, afirma.

Para a coordenadora de políticas para a população em Situação de Rua da SMDHC, Giulia Patitucci, a iniciativa cumpriu sua função de atender emergencialmente a população vulnerável da cidade. “O Projeto Rede Cozinha Cidadã foi idealizado no início da pandemia, em março, sendo implantado rapidamente em abril, e hoje essa ação emergencial garante dignidade as pessoas e famílias em situação de rua. Me sinto realizada por conseguir fazer a diferença na vida dessas pessoas na prática”, complementa.

No auge das restrições, a prefeitura lançou o Edital Nº 001/SMDHC/2020 e Edital Nº 001-A/SMDHC/2020 para o credenciamento de restaurantes ou similares, inscritos e situados na cidade, para prestar serviço de fornecimento de refeições à população em situação de rua, em pontos definidos pela SMDHC. Desde 23 de abril de 2020, até domingo, 24 de janeiro de 2021, 2.010.075 marmitas foram entregues em parceria com os estabelecimentos credenciados.

A distribuição das marmitas acontece nas regiões da Sé, Mooca, Lapa, Vila Mariana, Santo Amaro, Pinheiros e Santana, elencadas com base no último censo da população em situação de rua da cidade, o Censo PopRua 2019. A distribuição das marmitas é feita de segunda a segunda, inclusive aos finais de semana e feriados, no horário de almoço (a partir das 11h30).

Pesquisa de satisfação
A fim de mensurar o impacto da iniciativa, a secretaria realizou, em dezembro de 2020, uma pesquisa com os 95 restaurantes que estavam ativos no projeto no período, quando foi apurado que 32,6% dos estabelecimentos atendem exclusivamente o edital, produzindo refeições apenas para o programa, e que 70,5% afirmaram que o programa Rede Cozinha Cidadã evitou a falência do negócio.

Em pesquisa anterior, 55% dos comerciantes disseram que a ação evitou o fechamento do negócio, para 33% a medida impediu a redução do quadro de funcionários e 12% disseram que a iniciativa permitiu a manutenção do capital de giro da empresa.

Rações para os pets das pessoas em situação de rua
A SMDHC distribuiu mais de 4 toneladas de ração canina para alimentar animais de pessoas em situação de rua. A distribuição foi junto à entrega de marmitas à PopRua, conforme a logística do Rede Cozinha Cidadã. As rações são oriundas de doações das empresas Royal Canin e Petz.

Distribuição de kits de higiene e máscaras
A SMDHC distribuiu também neste período de emergência 15 mil kits de higiene para a população em situação de rua e 37.500 máscaras à população em situação de vulnerabilidade.

Serviço
O edital Rede Cozinha Cidadã permanece aberto e os restaurantes e estabelecimentos interessados em participar da ação devem enviar email para [email protected], onde poderão também obter informações e esclarecer dúvidas sobre o edital.

Publicidade
Publicidade

Deixe um comentário