Planeta América Latina - Eventos, Promoções e Novidades!

Confira os eventos, promoções e novidades em sua cidade. Aqui, no Planeta América Latina!

A história do mito Guerreiro!

A história do mito Guerreiro!

Guerrero não treme: goleador superou trauma para virar herói
Goleador raçudo, ele derrubou o Chelsea e conquistou o mundo. Peruano “meio louco”, ama cavalos e tem pavor de avião. Esse é Paolo, o guerreiro da Fiel


"O medo de voar brota de repente, quando uma pessoa toma consciência de que está a 10 000 metros de altura, cruzando os céus a 1 000 quilômetros por hora, e se pergunta: ‘Que diabos faço aqui?’ E começa a tremer...” A passagem do livro Dicionário do Amante da América Latina é um ensaio do Nobel de Literatura peruano, Mario Vargas Llosa, sobre sua própria fobia de aviões. Além de ser uma das personalidades mais conhecidas do Peru, o atacante Paolo Guerrero, 29, compartilha da paranoia do escritor compatriota.

 



Para ir ao Japão no ano passado, onde marcaria o gol do segundo título mundial do Corinthians, Guerrero teve de superar uma tragédia familiar. Em 8 de dezembro de 1987, ele tinha apenas 3 anos quando o tio materno Caíco Gonzales Ganoza, goleiro do Alianza Lima, morreu após a queda do Fokker com a delegação do time a bordo. Nenhum jogador do Alianza sobreviveu ao acidente. “Por causa do desastre que matou meu tio, eu sempre tive medo de voar”, conta.

No Hamburgo, da Alemanha, a carreira de Guerrero esteve por um fio. Um defeito no sistema hidráulico forçou o avião da equipe a um pouso de emergência em Paris, em 2010. No mesmo ano, o atacante, que estava no Peru, abortou quatro tentativas de voltar para a Europa por causa do trauma. “Eu tinha uma dor na barriga que não me deixava viajar tranquilo.”


“Contra o Al Ahly, eu ainda estava com dor. Não sentia meu joelho 100%”, diz o autor do gol de cabeça que levou o Corinthians à decisão diante do Chelsea. “Se tivesse de estourar o joelho para jogar a final, eu não me importaria.” Aproveitando a sobra do chute de Danilo, aos 23 minutos do segundo tempo, Guerrero não teve medo de fazer a Fiel explodir no estádio de Yokohama. Era a confirmação de um presságio. “Sonhei que seríamos campeões e que eu marcaria. No meu sonho, o gol saía numa jogada aérea. Quando o Danilo armou para chutar, eu continuei olhando fixamente para a bola, esperando o desfecho do lance. E aí veio o rebote em minha cabeça.”

Paolo mandou para dentro o sonho dos milhares de corintianos que invadiram o Japão. “Eu me lembro de pouca coisa do momento em que fiz o gol. Só sei que eu olhei para a torcida comemorando e, logo em seguida, todo o time já veio me abraçar. P..., foi muito louco!” Virou herói em menos de seis meses de Corinthians. “Quando eu cheguei, meus companheiros me sacaneavam. Aprendi um monte de palavrão em português.”

Após a consagração no Mundial, Guerrero, ao vivo, em rede nacional, pôs as lições em prática ao definir a atuação do Corinthians. “O time jogou pra c...!” “Os repórteres vinham falar comigo e eu não sabia o que responder. A única coisa que pude dizer foi que o time jogou muito. Mais que isso, né? Jogou pra c... mesmo”, afirma. Ele nega, porém, que o termo chulo pertença a seu vocabulário cotidiano. “Quase não falo palavrão. Na frente dos meus pais, então, de jeito nenhum. Eles ficam bravos.”

Exceção aberta ao futebol. Pelo Facebook, o atacante costuma comemorar as vitórias da seleção peruana em caixa alta e bom espanhol: “VAMO PERU, CARAJO!” Em 46 jogos pela seleção, Guerrero marcou 19 gols. Está a oito de ultrapassar Teófilo Cubillas e se tornar o maior artilheiro da história do Peru. Na Copa América de 2011, os peruanos terminaram em terceiro lugar e ele, como goleador da competição. Sua mãe mal podia caminhar pelas ruas de Lima. Ao reconhecê-la, torcedores gritavam de longe: “Senhora, por favor, tenha outro filho!”

Em seu país, Guerrero é um popstar. Estrela comerciais de TV, tem sete patrocinadores e é agenciado por uma produtora de personalidades e artistas peruanos. “Hoje Paolo é o grande ídolo nacional do Peru”, afirma Diego Ferraro, representante do jogador. A fama também lhe traz dor de cabeça. Em 2009, ele trocou farpas com um humorista que encena o personagem Paolín Linlín, uma imitação sua, porém com traços afeminados. “Paolo gosta de mulher. Não tem nada de Paolín, muito menos de homossexual”, diz o irmão Julio “Coyote” Rivera. O apelido incomoda. Quem ousa chamá-lo de Paolín ouve resposta tão rude quanto o palavrão que o gringo soltou em Yokohama.

Tatuagens, roupas extravagantes e os penteados exóticos — das trancinhas ao distinto corte que virou moda entre os corintianos depois do Mundial — enxertaram em Guerrero o rótulo de metrossexual no Peru. “Me viam dessa maneira pela roupa que eu vestia. Mas hoje todos se vestem igual a mim”, diz. “Um peruano que faz sucesso causa inveja nos outros.” Já a fama de bad boy surgiu na Alemanha. “Fiz muita merda na Europa. Agora estou mais sossegado.”


O LOUCO PATRIOTA

O goleador alvinegro é filho único do casal Petrolina Gonzales e José Guerrero, que se separaram ainda em seus primeiros anos de vida. Tem três irmãos por parte de pai e outros três da linhagem da mãe, que, seguindo a vocação do tio, também jogaram no Alianza Lima. Do pai, um ex-toureiro, Paolo herdou a paixão por animais, sobretudo os cavalos de corrida. Era José quem o levava ao hipódromo para fazer apostas depois dos treinos. Na época, a família não tinha dinheiro para criar cavalos. Já como astro na Alemanha, Guerrero arrematou Dilange e Cubage, os puros-sangues precursores de sua tropa, que conta com 14 exemplares. Recentemente, ele comprou dois potros e os batizou de Iguatemi (o shopping que frequenta em São Paulo) e Pacaembu. “O próximo vai se chamar Romarinho”, brinca.

 


Guerrero é um dos criadores mais bem-sucedidos do hipódromo de Monterrico, em Lima. Seus cavalos empilham troféus no Derby nacional, a corrida mais prestigiada do país. No mesmo dia da final contra o Chelsea, o alazão Elbchaussee faturou um páreo por vários corpos de vantagem. Quando está no Peru, ele e o pai vão às corridas trajados a caráter, de terno, gravata e sapato bem lustrado. “Cada páreo é um evento de gala”, afirma. Não é à toa. Uma vitória no Derby, por exemplo, pode render até 250 000 reais ao proprietário do campeão.

Seu estábulo leva o nome de Diego Henrique, filho do relacionamento com uma brasileira na Alemanha. O menino de 8 anos mora no Rio de Janeiro, mas, apesar de vê-lo somente nas férias, se espelha no pai. Não só pelo corte de cabelo. “Ele já é corintiano roxo”, diz Guerrero. A conexão do peruano com o país do futebol vai além. Ainda criança, ele deu os primeiros chutes em uma bola na Avenida Brasil, em Chorrillos, bairro da periferia de Lima. Fã de Ronaldo Fenômeno, não imaginava que um dia vestiria a 9 que pertenceu ao ídolo no Corinthians.


 

“Achado” pela comissão técnica corintiana por meio de um programa de computador capaz de garimpar jogadores pelo mundo que se encaixem no esquema da equipe, Guerrero preencheu a lacuna do centroavante com muitos gols. Só este ano ele já marcou 11, o artilheiro do Corinthians na temporada. “Guerrero vai dentro dos caras. E é um dos atletas que mais roubam bolas no ataque”, afirma o técnico Tite. A disposição do peruano contagiou o Pacaembu. “Eu me encaixo perfeitamente no estilo do Corinthians. É um time que luta até o fim. Eu sou assim. Não gosto de perder”, diz.

A identificação com o clube se alimenta da “loucura” nas arquibancadas. “Eu sou meio louco, assim como os corintianos. Às vezes até paro para olhar a torcida fazendo bagunça [fala com empolgação, batendo palmas], nos apoiando os 90 minutos.” O goleador se entusiasma ao saber que Juvenal Juvêncio, dono de um haras e presidente do São Paulo, tem o hábito de presentear jogadores do tricolor com cavalos de raça após as vitórias. Mas, de pronto, rechaça virar a casaca pelo “bicho”. “Tá louco? Eu sou corintiano! Não saio daqui tão cedo.”

Apesar do interesse de clubes europeus como Chelsea e Juventus após o Mundial, Guerrero diz que seu único plano futuro, longe do Corinthians, é retornar ao clube que o revelou. “Quero encerrar a carreira no Alianza Lima. Mas ainda falta muito tempo.” O orgulho nacional e o apego às raízes são o mantra de Guerrero. A bandeira do Peru, tremulada por suas mãos após a conquista no Japão, também está estampada nas chuteiras que fazem os corintianos vibrar. Em São Paulo, o atacante já descobriu três restaurantes peruanos onde pode apreciar o ceviche, prato típico com peixe cru bem temperado.

O culto ao atacante no Peru rendeu novos adeptos ao Timão. Quase 50 000 fãs da página do Corinthians no Facebook são peruanos. Guerrero agora quer retribuir o carinho da pátria. “Meu maior sonho é levar o Peru à Copa do Mundo no Brasil”, diz, certo de que terá o apoio da Fiel caso vença a batalha nas Eliminatórias sul-americanas. “Vai ter muito corintiano torcendo pelo Peru.” O voo alto com a terra natal, que não disputa uma Copa desde 1982, é o que falta para Guerrero deixar sua bandeira fincada eternamente dentro dos corações peruanos, tal qual permanecerá para sempre na memória da nação corintiana.


OS VOOS DO GOLEADOR


PERU

2002

De Lima para Munique

Após dez anos na base do Alianza Lima, clube que não chegou a vê-lo em ação como profssional, o atacante é comprado pelo Bayern Munique aos 18 anos.

2006
De Munique para Hamburgo

Passa quatro temporadas no Bayern, onde jogou com os brasileiros Lúcio e Zé Roberto e foi bicampeão alemão, antes de partir para o Hamburgo.

2011
De Hamburgo para a Argentina

Artilheiro da Copa América, com 5 gols, ajuda a reerguer o Peru, que conquista o terceiro lugar no torneio, melhor colocação do país desde 1983.

2012
De Hamburgo para São Paulo

O desempenho na Copa América atrai o Corinthians, que passa a monitorá-lo por meio de um sofware. Um ano depois, o clube desembolsa 7,5 milhões de reais para contratá-lo

De São Paulo para o Japão
Anota os dois gols que o eternizam como herói do Mundial. “É uma lembrança que vou levar para o resto da vida. Quando eu tiver meus netos, vou contar essa história para eles.”


LAS GUERRERAS


Os belos gols do matador. Fora do campo...

 

Em 2007, um jantar com a modelo acabou indo parar na Justiça. Ele processou a apresentadora Magaly Medina por difamação, após ela ter dito na TV que o jogador fugiu da concentração peruana para se encontrar com Fiorella. Magaly foi condenada a cinco meses de prisão.

Natalie Vertiz
Miss Peru Universo em 2011, a modelo de 21 anos manteve breve relacionamento com Guerrero no ano passado.
Eva Habermann
A atriz alemã, de 37 anos, teria sido o principal alvo das investidas do atacante no período em que jogou pelo Hamburgo.
 
 
Leslie Shaw
Suposto afair do artilheiro no Peru, a cantora é a musa oficial da seleção peruana e acordou de madrugada para ver o Timão no Mundial. “Guerrero é o orgulho do Peru”, disse.