Planeta América Latina - Eventos, Promoções e Novidades!

Confira os eventos, promoções e novidades em sua cidade. Aqui, no Planeta América Latina!

América Latina comovida por imagens inéditas da ditadura chilena

América Latina comovida por imagens inéditas da ditadura chilena

Em 2013 pela primeira vez a sociedade chilena desvenda imagens da sangrenta ditadura de Pinochet a 43 anos do golpe. O ciclo se chama “Chile, as imagens proibidas”. Assista aos vídeos.


Próximo de completar 43 anos do golpe militar que derrubou Salvador Allende e instalou Augusto Pinochet no poder, em 2013 tem-se mostrado no Chile imagens nunca antes transmitidas na televisão.

 

 

O programa se chama “Chile, as imagens proibidas”, que é transmitido por Chilevisión e conduzido pelo ator Benjamin Vicuña. O ciclo mostrou, entre outras coisas, o tiro na cabeça que recebeu um manifestante no meio de um protesto no centro de Santiago, em meados dos anos 80; os violentos protestos que cercaram a visita ao Chile do Papa João Paulo II, em 1987; os gritos de dor de Estela Ortiz, esposa de Manuel Parada, quando lhe confirmam que o seu marido é um dos três comunistas degolados em 1986.

“- Até quando seguirão matando o nosso povo? Até quando permitiremos tanta matança, tantos crimes, tanta tortura, até quando?!” Grita Ortiz fora do Serviço Médico Legal, antes de desaparecer.

Em suas três edições, o programa liderou a audiência no horário nobre, superando as séries de sucesso e sendo o mais comentado nas redes sociais.

Também tem sido motivo de polêmica entre aqueles que ainda defendem a ditadura e a atuação de Pinochet. Pela primeira vez a sociedade chilena tira a sua mordaça na televisão aberta e põe em discussão um tema que mantêm as feridas abertas.

Chegou a hora de pedir desculpas às vítimas, seus familiares e a sociedade chilena”, disseram os juízes em uma declaração inédita.

É tanto o impacto que tem causado o ciclo que a Associação dos Magistrados do Poder Judiciário do Chile pediu desculpas pelas omissões cometidas durante a ditadura e exortou a Corte Suprema a assumir a sua responsabilidade por não dar curso a 5.000 recursos de amparo apresentados a favor das vítimas.

Já se passaram 43 anos para se fazer esta catarse coletiva de um regime que deixou um saldo de mais de 3.200 mortos e 38.000 desaparecidos.

 

 

 


 

En la memoria las Mujeres embarazadas Detenidas y Desaparecidas en Dictadura - See more at: http://www.radiovillafrancia.cl/en-el-dia-de-la-madre-en-la-memoria-las-mujeres-embarazadas-detenidas-y-desaparecidas#sthash.3ACBefqL.dpuf

Em memória das Mulheres Gravidas Desaparecidas durante a ditadura chilena de Pinochet

 


Tradução: Juventude Comunista Avançando
Fonte: infonews.com