Mónica Medina, a comadre boliviana

Comunicadora social, escreve sua história nas veias da América Latina

Publicado em
Mónica Medina, a comadre boliviana

Mónica Medina Téllez, nasceu em La Paz em 2 de fevereiro de 1964. Em 1982 aos 18 anos obteve uma bolsa para estudar Flamenco na Escola de Madrid, ficando lá até os 20 anos.

Contribuição para a cidade de La Paz

Em 1985 se casa com Carlos Palenque Avilés “Comunicador Social” músico e condutor de rádio, juntos criaram o Sistema de Radio e Televisão Papular (RTP) com alcance nacional, atualmente composta por duas rádios e um canal de televisão. No programa “La Tribuna Libre del Pueblo” de RTP receberam o denominativo de “Compadre” e “Comadre” como parentesco espiritual dentro da cultura andina, assim também criaram o Braço Social para a atenção a pessoas de baixos recursos econômicos.

Em 1989 Mónica Medina foi gerente de Desenvolvimento Social da Corporação Regional de Desenvolvimento de La Paz (CORDEPAZ) onde foram destinados os primeiros recursos econômicos para a criação da Universidade Pública de El Alto (UPEA), igualmente instala outro Braço Social (baixo o conceito do que hoje chamamos Responsabilidade Social Empresarial).

Nas eleições para Prefeitura em 1993, aos seus 29 anos de idade foi eleita democraticamente como a primeira Prefeita da Cidade de La Paz. Implantou uma política de inclusão e igualdade de gênero com acesso de mulheres a cargos públicos e aprofundou a descentralização da gestão administrativa e obras de importância para a Cidade de La Paz.

Por sus notável administração como Prefeita, a Revista Times em 1994 a reconheceu entre as 100 mulheres líderes do mundo, o mesmo ano a revista L. Express da França publicou um ranking das 100 mulheres mais influentes do mundo, entre elas estava a “Comadre Mónica Medina”. Em 1996 o Fórum Econômico Mundial de Davos Suíça, a elegeu entre as Líderes Globais do Amanhã (GLT) com esse título tão prestigioso.

Contribuição Política para o País

Outra das contribuições importantes da “Comadre” desde RTP foi a visualização dos atores culturais, sociais, econômicos e políticos andinos, até então ignorados pelos demais meios de comunicação privados e estatais, que encontraram nesse meio uma poderosa ferramenta para se organizar e canalizar suas demandas para poder construir processos cidadãos de inclusão e fortalecimento a democracia por mais de quatro décadas, contribuindo ao desenvolvimento do país.

Atualmente RTP mantém relações institucionais e de afeto com setores sociais, rurais e urbanos que fazem parte do seu tecido. Além de artesãos, folcloristas, artistas e uma ampla comunidade de conhecimento.

A Comunidade da Vida

É uma Organização constituída por vários setores urbanos e rurais dedicada a preservação do meio ambiente. Assim mesmo “La Comunidad de la Vida” promueve saberes ancestrais, rituais festivos e práticas culturais dos Andes e da Amazônia Sul-americana, fortalecendo os valores comunais.

A “Comadre Mónica” continua sendo fonte de inspiração para os bolivianos dentro e fora do país.

La Paz, Janeiro 2019.

Tradução: Paola Nogales

Deixe um comentário